Você está aqui: Página Inicial > Campus Santo Amaro > Notícias > Segundo dia do Festival Percursos da leitura na Bahia conta com apresentações de ações Leitoras mapeadas em todo o estado
conteúdo

Segundo dia do Festival Percursos da leitura na Bahia conta com apresentações de ações Leitoras mapeadas em todo o estado

publicado: 28/04/2021 20h55, última modificação: 29/04/2021 00h50
Colaboradores: Ticiano Lima

Aconteceu ontem, 27 de abril, o segundo dia do I Festival da Leitura na Bahia, organizado por estudantes e egressos do IFBA Campus Santo Amaro, integrantes do Coletivo Oxe, com apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia), via Lei Aldir Blanc direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

O segundo dia do Festival Percursos contou com 5 horas de programação, exibida através do canal Oxe literatura baiana contemporânea no YouTube, com mais de 1300 visualizações e muitas interações do público. O Festival iniciou seus percursos na manhã desta terça-feira embalados por sessão de contação de histórias. Pela tarde houve o momento mais esperado do projeto: conhecer iniciativas leitoras baianas mapeadas e premiadas. Além disto, houve apresentações de editoras independentes na Bahia, continuidade a realização das oficinas e ocorreram muitas reflexões em torno da leitura como dispositivo de resistências e transformações.

Percursos - Dia 2 - 01

O evento começou bem cedo com programação voltada ao público infanto-juvenil, a contadora Rosana Paulo participou ativamente com narrarivas populares como Pimenta no Cocuruto, Festa no Céu, Sopa de Pedra, o Velho, o Menino e o Burro, intercaladas com brincadeiras, cantigas e brinquedos, que estimularam a imaginação das crianças, convidando o público a revisitar narrativas familiares.

Durante o dia, três iniciativas destacadas por seus trabalhos com a leitura em seus respectivos municípios de atuação puderam expôr ações e performances. Fada Dalia, de Ilhéus, apresentou contações de histórias gravadas em vídeo e também ao vivo, animando o público pela internet. Já os Cirandeiros do Sertão, de Serrolândia, trouxeram um vídeo especial com cirandas e muita ação teatral para realizar contação. A iniciativa Ler é bom demais!, que atua em Quixabeira, apresentou, em vídeo, a história do projeto, mostrando cenas de ações literárias ocorridas antes da pandemia. Ao longo da semana, outras nove iniciativas leitoras apresentarão seus trabalhos e será possível acompanhar toda a programação através do canal do YouTube do Coletivo Oxe: https://www.youtube.com/channel/UCz2fyxSLP3i0a8PENBQ0KGQ.

Percursos - Dia 2 - 02

Além das apresentações desses projetos, houve também a discussão sobre o processo de leitura como estratégia de resistência para grupos minoritários que, a partir de demandas específicas, apropriam-se da atribuição de sentidos, fazendo da leitura recurso para transformação humana. Carla Luzia, docente da UEFS, trouxe reflexões sobre a leitura como propulsora de consciência de gênero; Igor de Albuquerque, fundador e editor da Revista Barril, apresentou discussões sobre a capacidade do leitor não especializado em construir sentidos de resistência a partir de textos literários e Nádia Akawã, mestra Griô e liderança indígena Tupinambá, discutiu a importância de incluir atividades leitoras no processo de educação escolar Indígena e da necessidade de valorizar saberes e culturas dos diversos povos indígenas. 

Percursos - Dia 2 - 03

Como parte da programação, ocorreu o Momento Feira, espaço dedicado a divulga  editoras baianas independentes. E ontem, participou da atividade a editora Cartonera das Iaiá, da artista Andressa dos Prazeres, quem, em bate-papo com o mediador e integrante do Coletivo Oxe, Michel Lopes, explanou a história da criação da editora, assim como divulgou o catálogo que reúne livros feitos, profissionalmente, à mão.

O evento contou também com o lançamento do primeiro episódio da websérie Percurso da Leitura na Bahia, que tem caráter artístico e documental e pretende difundir, por meio de canais do YouTube, discussões tangentes à literatura baiana entre os agentes da educação básica. No episódio "A canção tem essa magia", os compositores e cantores Jorge Lampa e Neila Kadhí comentam meandros da linguagem verbal, letra, e a linguagem musical de um texto lítero-musical, bem como os caminhos na produção musical da Bahia e do Brasil, destacando relações de parceria que demarcam potencialidades de um fazer coletivo que reverbera em novas matérias artísticas na cena contemporânea. É possível conferir o episódio através do endereço https://youtu.be/ou63YKKjXZ0.

E para quem estava inscrito na oficina Design Editorial, com Marcus Vinícius, na plataforma Zoom, ontem ocorreu o último encontro, no qual foi dado continuidade às técnicas, práticas e conhecimentos do processo de design editorial apresentado no dia 26 de abril.

Confira abaixo mais fotos do evento:

registrado em: