Você está aqui: Página Inicial > PRODIN > Assessoria Internacional > CIÊNCIA SEM FRONTEIRA
conteúdo

Pró-reitoria de desenvolvimento institucional

CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

O Ciência sem Fronteiras (CsF) é um programa de iniciativa do Governo Federal que visa promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. Para isso, o programa oferece a alunos de graduação e pós-graduação a possibilidade de realizar estudos ou estágio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação.
Objetivos
  
• Investir na formação de pessoal altamente qualificado nas competências e habilidades necessárias para o avanço da sociedade do conhecimento;
• Aumentar a presença de pesquisadores e estudantes de vários níveis em instituições de excelência no exterior;
• Promover a inserção internacional das instituições brasileiras pela abertura de oportunidades semelhantes para cientistas e estudantes estrangeiros;
• Ampliar o conhecimento inovador de pessoal das indústrias tecnológicas;
• Atrair jovens talentos científicos e investigadores altamente qualificados para trabalhar no Brasil.

Áreas Contempladas

No Programa Ciência sem Fronteiras, as áreas contempladas são:

  • Engenharias e demais áreas tecnológicas;
  • Ciências Exatas e da Terra;
  • Biologia, Ciências Biomédicas e da Saúde;
  • Computação e Tecnologias da Informação;
  • Tecnologia Aeroespacial;
  • Fármacos;
  • Produção Agrícola Sustentável;
  • Petróleo, Gás e Carvão Mineral;
  • Energias Renováveis;
  • Tecnologia Mineral;
  • Biotecnologia;
  • Nanotecnologia e Novos Materiais;
  • Tecnologias de Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais;
  • Biodiversidade e Bioprospecção;
  • Ciências do Mar;
  • Indústria Criativa (voltada a produtos e processos para desenvolvimento tecnológico e inovação);
  • Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva;
  • Formação de Tecnólogos.
O CsF concede bolsas de estudo em nas seguintes modalidades: graduação sanduíche; educação profissional e tecnológica; doutorado sanduíche; doutorado pleno; e pós-doutorado. São concedidas, ainda, bolsas no País para pesquisadores visitantes estrangeiros e para “jovens talentos”.

No caso da bolsa de doutorado sanduíche, os candidatos devem estar matriculados regularmente em cursos de doutorado reconhecidos pela Capes.

Já os que pleiteiam bolsas de doutorado pleno não podem estar cursando o mesmo nível no Brasil, nem possuir o título de doutor. Os candidatos a bolsas de pós-doutorado devem, naturalmente, possuir o título de doutor e respeitar o interstício de três anos entre um pós-doutorado e outro como bolsista de agências federais. Ex-bolsistas de doutorado devem também respeitar o tempo mínimo de permanência no País, antes de receber bolsas de pós-doutorado.

No caso de mestrado profissional, os candidatos não podem ter título de mestre ou doutor.

Em todos os casos, há, ainda, outras exigências básicas a cumprir, como inscrição do currículo na Plataforma Lattes e anuência formal do coordenador do curso, dos orientadores e da instituição de destino.

Para a concessão de bolsa para alunos de graduação e de cursos tecnológicos, os principais critérios são: possuir bom desempenho acadêmico; ter obtido nota mínima de 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), considerando os testes aplicados a partir de 2009; para os cursos de graduação: ter concluído no mínimo 20% e no máximo 90% do currículo previsto; para os cursos tecnológicos: ter cursado no mínimo um semestre e estar, no máximo, no penúltimo semestre do curso, no momento do início previsto da viagem de estudos.

Têm prioridade no recebimento de bolsas do CsF os estudantes agraciados com prêmios em olimpíadas científicas no País ou no exterior e que tiverem recebido ou recebam bolsa de iniciação científica ou tecnológica do CNPq ou da Capes. No caso dos cursos tecnológicos, é considerada a participação em qualquer programa de iniciação científica, com ou sem bolsa.

Em todos os casos, não se permite a acumulação de bolsas. Ademais, os projetos de pesquisa devem enquadrar-se nas áreas contempladas pelo Programa e é preciso atender ao grau de proficiência na língua estrangeira exigido pela instituição de destino.

Os alunos de graduação e de cursos tecnológicos recebem do Programa uma bolsa mensal, auxílio-instalação, passagens aéreas e seguro saúde. A duração das bolsas é de doze meses, podendo estender-se a até dezoito meses, no caso de inclusão de curso intensivo da língua estrangeira. No caso dos cursos tecnológicos, são exigidos três meses de estágio em empresas no país de destino.

Fonte: Ciência sem Fronteiras e Relatório do Senado Federal a respeito do CsF

Para informações sobre como se inscrever no CsF, clique aqui.