conteúdo

Informações

por Campus Paulo Afonso publicado 29/03/2017 15h27, última modificação 10/01/2019 14h15
Eng. Elétrica

Objetivo Geral

O Curso de Engenharia Elétrica tem como objetivo geral, formar profissionais,habilitados em Eletrotécnica, com sólida formação técnica, científica e profissional e de forma interdisciplinar, capacitando-o para que possa absorver e desenvolver novas tecnologias na área, despertando no mesmo a crítica e a criatividade para identificar e resolver problemas, de modo a atender às demandas da sociedade, bem como para o desenvolvimento sustentável da região e do país.

Habilitação: Bacharelado em Engenharia Elétrica, ênfase em Eletrotécnica.

 

Objetivos Específicos da formação do Engenheiro Eletricista

  • Possibilitar uma formação interdisciplinar do engenheiros eletricistas, capacitando-o para atender às diferentes solicitações do mercado de trabalho, com uma visão crítica e inovadora através de uma significativa formação básica, geral e humanista, associada à sua formação profissional específica;
  • Formar engenheiros eletricistas com amplo conhecimento para atuarem na área da Eletrotécnica e suas subáreas, preparando o profissional para exercer suas atividades de forma plena; 
  • Realizar atividades de ensino, pesquisa e extensão em Engenharia Elétrica buscando a excelência, com visão crítica e criativa, contribuindo para o atendimento das necessidades da sociedade e seu desenvolvimento sustentável, pautado nos princípios da ética profissional;
  • Identificar, formular e buscar soluções para problemas científicos, experimentais e teóricos, práticos ou abstratos, fazendo uso de conhecimentos técnico e científico obtidos durante o curso e de instrumentos laboratoriais, computacionais ou matemáticos adequados;
  • Proporcionar conhecimentos técnicos e científicos que sirvam de instrumento estimulador para o campo de atuação profissional e para o ingresso em programas de pós-graduação, dando continuidade à produção de conhecimento e ao desenvolvimento sustentável da região e do país.

 

Perfil

No campo da Engenharia, a rapidez com que ocorrem as transformações científicas e tecnológicas tem um efeito ainda mais contundente. A Engenharia Elétrica, por tratar-se de uma área onde o surgimento das novas tecnologias tem repercussão praticamente imediata, o vertiginoso ritmo das inovações exige do Engenheiro Eletricista a capacidade de compreendê-las e de absorvê-las com rapidez e eficiência.

Além de conhecimento, habilidades e competências técnicas, o Engenheiro Eletricista deve desenvolver consciência dos aspectos humanísticos, sociais, éticos e ambientais envolvidos na sua ação profissional.

O perfil do profissional formado pelo IFBA Campus de Paulo Afonso está definido na RESOLUÇÃO CNE/CES 11, DE 11 DE MARÇO DE 2002 que especifica um “engenheiro com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais com visão ética e humanista, em atendimento às demandas da sociedade”.

 

O Engenheiro Eletricista será capaz de desenvolver as seguintes  atividades:

  •  aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia;
  • projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
  •  conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
  • planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia;
  • identificar, formular e resolver problemas de engenharia;
  • desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;
  • supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;
  • avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;
  • comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;
  • atuar em equipes multidisciplinares;
  • compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais;
  • avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental;
  • avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;
  • assumir a postura de permanente busca de atualização profissional.(RESOLUÇÃO CNE/CES 11, DE 11 DE MARÇO DE 2002, pag 1 2002, ).

 

Como a ênfase do Curso de Engenharia Elétrica é na modalidade Eletrotécnica, o profissional formado pode realizar as atividades, citas na resolução, referentes à geração, transmissão, distribuição e utilização da energia elétrica; equipamentos, materiais e máquinas elétricas; sistemas de medição e controle elétricos; seus serviços afins e correlatos.
Além disso, é esperado o desenvolvimento da capacidade de raciocínio lógico, de observação, de interpretação e de análise de dados e informações, para que o profissional desenvolva soluções para problemas referentes a áreas.

Especificamente na área de abrangência da Engenharia Elétrica, o profissional estará apto a:

  • Equacionamento de problemas de Engenharia Elétrica, utilizando conhecimentos de eletricidade, matemática, física, química e informática, com propostas de soluções adequadas e eficientes;
  • Criação e utilização de modelos aplicados a dispositivos e sistemas elétricos e magnéticos;
  • Coordenação, planejamento, operação e manutenção de sistemas na área de Engenharia Elétrica;
  • Análise de novas situações, relacionando-as com outras anteriormente conhecidas;
  • Aplicações de conhecimentos teóricos de Engenharia Elétrica a questões gerais encontradas em outras áreas;
  • Comunicação oral e escrita;
  • Visão crítica de ordem de grandeza;
  • Leitura, interpretação e expressão por meio de gráficos.

 

Ainda nesse contexto, o curso de Engenharia Elétrica forma um profissional apto a exercer as atividades profissionais definidas na Lei n. º 5.194, de 24 de dezembro de 1966, que regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e na Resolução n.º 218, de 29 de junho de 1973, do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA), que discriminam atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia.

  

Forma de Ingresso

1 - Por intermédio do Sistema de Seleção Unificada (SISU), em que os candidatos devem se inscrever pelo site do Ministério da Educação e realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM); 

2 - Por Concurso Vestibular do IFBA, em que os candidatos devem se inscrever e seguir as orientações do Edital.

O Curso do Engenharia Elétrica oferta 80 (quarenta) vagas anuais, sendo que são abertas 40 por semestre e obedecem aos seguintes critérios para efetivar a matricula:

  • 40% das vagas totais são destinadas ao Sistema de Seleção Unificada (SISU), que utiliza a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) para classificação.
  • 60% das vagas totais são destinadas ao sistema de classificação do IFBA, que, a partir do ano de 2015, passou a utilizar a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como única fase de seu Processo Seletivo (PROSEL).

 

As vagas ofertadas destinam-se aos candidatos que concluíram ou estão em vias de concluir o Ensino Médio até a data prevista para a matrícula no IFBA. Ademais, na distribuição das vagas, existe a obediência à Lei nº 12.711/2012 - Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio, Decreto nº 7.824/2012 - Regulamenta a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, que dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e à Portaria Normativa do MEC nº 18 de 11 de outubro de 2012 - Dispõe sobre a implementação das reservas de vagas em instituições federais de ensino de que tratam a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012.

O acesso ao Curso de Engenharia Elétrica, na modalidade presencial, tem requisito mínimo a posse do certificado de conclusão do Ensino Médio, ou equivalente, e a classificação do candidato no processo de ingresso, podendo o candidato concorrer apenas ao número de vagas previstas.

 

Dados do Curso

Graduação - EE - MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA ELÉTRICA.png

Número de Vagas: 40/Semestre
Número de Turmas: 2 Turmas de 40 Alunos/Anual
Regime Acadêmico: Periodização Semestral.                                                                                                                         Cada Período Tem Duração de 100dias Letivos.
Regime de Matrícula: Semestral
Regime do Curso: Sistema de Créditos
Total de Créditos: 242 Créditos
Dimensão das Turmas:
Aulas teóricas: até 50 alunos;
Aulas práticas até 20 alunos
Tempo para Integralização:
Mínimo: 5 (cinco) anos 
Máximo: 9 (nove) anos
Turno de Funcionamento:
Noturno - Segunda à Sexta: 16:50 às 22:00 h
Diurno    - Sábados: 07:00 às 13:00 h
Carga Horária:
Carga Horária Teórica: 2990 horas
Carga Horária Prática:  370 horas
Carga Horária de Estágio: 180 horas
Carga Horária Total: 3.630 horas

Horário de Aula

Calendário Acadêmico