Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2022 > Lançado Projeto Ialodês da Bahia: Geração de Emprego, Renda e Bem Viver para Mulheres Negras, Quilombolas, Pescadoras e Marisqueiras
conteúdo

Notícias

Lançado Projeto Ialodês da Bahia: Geração de Emprego, Renda e Bem Viver para Mulheres Negras, Quilombolas, Pescadoras e Marisqueiras

Termo de Execução Descentralizada (TED) foi assinado nesta segunda-feira (20) pela reitora Luzia Mota e o secretário nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do MMFDH, Paulo Roberto, em cerimônia que contou com lideranças femininas negras de bairros populares de Salvador, Ilha de Maré e Candeias.
por Helen Sampaio publicado: 22/06/2022 09h33, última modificação: 22/06/2022 09h33

IMG_4908.JPG
Matilde Charles abre lançamento do projeto Ialodês da Bahia . Crédito/Foto: Jamil Santos

São Salvador, Bahia de São Salvador. A terra de Nosso Senhor. Pedaço de terra que é meu. Foi esta a música escolhida pela cantora e intérprete Matilde Charles para dar início à cerimônia de lançamento do Projeto Ialodês da Bahia: Geração de Emprego, Renda e Bem Viver para Mulheres Negras, Quilombolas, Pescadoras e Marisqueiras, na tarde da última segunda-feira (20), no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA). A composição de Dorival Caymmi (1914-2008), “São Salvador”, foi apresentada à capela pela cantora, motivando aplausos das lideranças femininas de bairros populares de Salvador, da Ilha de Maré (pertencente ao município) e de Candeias; das gestoras (em sua maioria) e gestores da Instituição; e do secretário nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (SNPIR/MMFDH), Paulo Roberto, que estiveram reunidos na sala do Conselho Superior (Consup), na Reitoria. 

IMG_4920.JPG
Lançamento do Projeto Ialodês da Bahia . Crédito/Foto: Jamil Santos

Iniciativa da Diretoria de Políticas Afirmativas (DPAAE), com o apoio da Diretoria Adjunta da Universidade Aberta do Brasil (UAB/IFBA), o projeto começou a ser desenvolvido há um ano e meio e vai beneficiar mais de 2 mil mulheres negras, adaptando-se às realidades das comunidades. Os nove cursos, as duas oficinas e o atendimento psicossocial, que prevê atividades de terapia em grupo e atendimento psicológico individualizado, serão realizados presencialmente. De acordo com Marcilene Garcia, diretora da DPAAE, a previsão é de que no retorno do recesso de São João (23 e 24/06), sejam iniciados os processos de seleção de profissionais, o mapeamento e o cadastro das mulheres negras que participarão da iniciativa. Os cursos estão previstos para iniciarem após o mês de julho.

IMG_4946.JPG
Marcilene Garcia, Diretora de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis do IFBA. Crédito/foto: Jamil Santos

“Esse é um processo construído com uma equipe multidisciplinar, do ponto de vista da qualidade do projeto, e também com muita avaliação para que a gente possa, seja em Ilha de Maré, nos bairros populares de Salvador e em Candeias, ter um projeto em regiões diferentes, mas muito uniforme na proposta, no projeto, na observação das situações que vão acometendo as mulheres em suas comunidades. Porque essa rede de apoio é muito importante e as equipes multidisciplinares terão um papel também fundamental no empoderamento dessas mulheres para que elas permaneçam e também tenham uma expectativa depois de acessar o mundo do trabalho com qualidade. Isso é importante”, ponderou Marcilene.

IMG_4954.JPG
Elisângela Reis é coordenadora da UAB/IFBA. Crédito/Foto: Jamil Santos

Elisângela Reis, coordenadora institucional da UAB, conta que as pesquisas sobre os cursos demandaram muito trabalho da equipe: “O desafio foi grande porque tivemos que pesquisar cursos que não são da nossa área de atuação. O importante é que a gente vai descobrindo coisas novas, vai aprendendo também com o processo, mas nós precisamos ouvir as comunidades para que o projeto chegasse à sua versão atual porque o projeto inicial previa uma quantidade menor de cursos. O curso que seria de culinária baiana, se transformou em três: culinária baiana, culinária nordestina e comida de boteco, principalmente depois que dialogamos com as mulheres de comunidades quilombolas de Ilha de Maré”.  

O projeto Ialodês da Bahia foi exaltado pela reitora do IFBA, Luzia Mota, como uma medida importante e necessária para o fortalecimento das lutas antirracistas diárias, contra o racismo estrutural e institucional, e para a valorização do povo negro, em especial das mulheres negras combatentes. “O que estamos fazendo é tentando contribuir para que esse conhecimento seja levado a mais mulheres negras e colaborando para o desenvolvimento das comunidades”, disse.

WhatsApp Image 2022-06-21 at 17.30.37.jpeg
Lançamento do Projeto Ialodês da Bahia. Crédito/Foto: Helen Sampaio

A reitora enfatizou ainda o papel social da instituição, sua obrigação enquanto Estado em proporcionar iniciativas de cunho educacional à sociedade e o quanto essa aproximação com as pessoas que compõem as comunidades é importante para o IFBA. “O projeto dá o pontapé inicial, mas quando ele finalizar devemos construir uma rede permanente, para além de uma gestão do IFBA. Precisamos abrir a instituição para a comunidade, trazer as pessoas para mais perto para que conheçam e queiram estar nas nossas unidades. Dentro de uma escola”, pontuou.

IMG_4925.JPG
Luzia Mota (reitora do IFBA) e o secretário, Paulo Roberto. Crédito/Foto: Jamil Santos

Definindo-se como “pai de mulher negra, filho de mulher negra e neto de mulher negra”, o secretário Paulo Roberto demarcou a negação histórica à educação aos negros no Brasil e o quanto isso precisa ser combatido. “Essa organização de trazer geração de empregos principalmente para mulheres negras nos traz muita alegria”, afirmou, colocando-se à disposição para receber projetos de combate ao racismo. Paulo Roberto também frisou os objetivos da República no que tange à erradicação da pobreza, promoção do bem de todos, respeito às diferenças regionais e geração de emprego e renda e destacou a parceria com o IFBA no desenvolvimento de projetos relevantes.

Elis Lopes (pró-reitora de Desenvolvimento institucional), Nívea Cerqueira (pró-reitora de Extensão), Jancarlos Lapa (pró-reitor de Ensino) e Marcelo Bispo (pró-reitor de Planejamento e Administração) deram seus testemunhos sobre como conheceram a iniciativa da Diretoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis (DPAAE) e expressaram o desejo de contribuir e de que hajam mais iniciativas similares. 

DESAFIOS DAS MULHERES NEGRAS DAS COMUNIDADES

IMG_4959.JPG
Josy Azeviche no lançamento do Projeto Ialodês da Bahia. Crédito/Foto: Jamil Santos

As mulheres negras presentes discutiram temas pertinentes aos seus contextos de atuação em comunidades, principalmente desde a pandemia de Covid-19, que aumentou a vulnerabilidade social nos bairros populares e os índices de violência doméstica, entre outras questões. Pontuaram ainda os principais problemas enfrentados para manter a renda familiar e sugeriram, a fim de incentivar a participação das mulheres nos cursos e oficinas, a implementação de uma estrutura similar a uma creche para que as mulheres deixem suas (os) filhas (os) enquanto estiverem estudando, iniciativa que será contemplada no projeto.

Josy Azeviche, que representou a comunidade de Ilha de Maré, porém atua em Paripe, aproveitou o momento para denunciar a situação de vulnerabilidade social que as mulheres da Ilha de Maré estão vivenciando, relatou ainda as dificuldades de deslocamento em Salvador e a falta de privilégios das mulheres negras. Finalizou sua participação, clamando por um olhar mais sensível para as condições das mulheres negras da ilha.

IMG_4970.JPG
Lindinalva Santos, ao lado esquerdo de Rita Cliff, no lançamento do Projeto Ialodês da Bahia. Crédito/Foto: Jamil Santos

Emocionada, Lindinalva Santos, uma das líderes no bairro Engelho Velho da Federação, enumerou as dificuldades enfrentadas pela comunidade, principalmente associadas à violência, e trouxe algumas das demandas mais urgentes de atendimento às mulheres negras da localidade. “Essa acolhida ao nosso bairro está sendo muito valiosa. Esse projeto chegando para nós é como esperançar”, desabafou.

“Vai ser interessante (a parceria com o IFBA). A Bahia precisa. Nós negros e negras dessa cidade precisamos ter espaços para mostrar nosso talento”, afirmou Rita Cliff, da ONG Bahia Street, que há 26 anos oferta cursos às populações mais vulneráveis, visando a transformação da juventude e sociedade.

IMG_4976.JPG
Manuela Pimentel no lançamento do Projeto Ialodês da Bahia. Crédito/Foto: Jamil Santos

O momento de visibilidade das comunidades com as (os) gestoras (es) do IFBA e com o secretário Paulo Roberto foi comemorado por Manuela Pimentel, vice-presidente da Associação de Pescadoras e Marisqueiras de Candeias, que compartilhou com as (os) presentes o desafio que será mudar a concepção das trabalhadoras sobre a dedicação aos cursos nos horários em que estariam trabalhando nos mangues. Manuela, acompanhada de Luciene Conceição e Driele Dantas, ratificou o desejo de ofertar outras opções de trabalho para as companheiras de comunidade, entre elas, oportunidades ligadas à área de estética e vibrou com a parceria firmada e o início da relação com o IFBA, também através da filha, que deseja ingressar na instituição. “Eu quero ver a mudança para minha filha e para minha comunidade”, concluiu.

WhatsApp Image 2022-06-21 at 17.30.30.jpeg
Luzia Mota e Paulo Roberto assinam o TED para o Projeto Ialodês da Bahia .Crédito/Foto: Helen Sampaio

No final do evento, antes da assinatura do Termo de Execução Descentralizada (TED), a reitora destacou a importância do encontro, sua realização na sala em que são tomadas as principais decisões da instituição, contando ainda com a presença do secretário de Estado. Após contextualizar os limites financeiros do IFBA, fez o apelo às lideranças de que reforcem a necessidade de permanência das mulheres nos cursos, a fim de maior aproveitamento da oportunidade e que depois sejam pensados, para além do Projeto Ialodês, outros cursos e a possibilidade de formação de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

“Nós não queremos vender sonhos, queremos vender realidade. Construir junto. Construir coletivamente. Não somos nós que vamos à comunidade para formar. Para nós, IFBA, os ganhos são muito maiores do que os de vocês que estão nas comunidades porque nós conseguirmos fazer essa interação para nós é fundamental. É fundamental para nossa sobrevivência. É fundamental para nós estarmos cumprindo nosso papel”, finalizou.

 

Notícias relacionadas:

IFBA e SNPIR celebram termo para execução do Projeto Ialodês da Bahia, que vai beneficiar 400 mulheres negras, quilombolas, pescadoras e marisqueiras