Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Estudantes do IFBA Eunápolis são finalistas da Olimpíada Nacional de História do Brasil
conteúdo

Estudantes do IFBA Eunápolis são finalistas da Olimpíada Nacional de História do Brasil

Das 14 equipes do campus Eunápolis inscritas na Olimpíada, duas estão classificadas para a final e 11 chegaram à semifinal. A competição é organizada pela Universidade de Campinas (Unicamp). O resultado será divulgado no próximo dia 22 de novembro.
publicado: 18/11/2020 08h44, última modificação: 18/11/2020 08h44

As equipes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) do campus Eunápolis conquistaram resultados expressivos na Olimpíada Nacional de História do Brasil (ONHB). Das 14 equipes que o campus inscreveu, duas estão classificadas para a final e 11 chegaram à semifinal, entre os 69,8 mil inscritos de todo o país, um total de 17,4 mil grupos. Duas equipes formadas por estudantes do curso de química, modalidade integrada, do campus Salvador, também são finalistas da ONHB, uma competição idealizada e organizada pelo Departamento de História da Universidade de Campinas (Unicamp). 

Nesta 12º edição, a Olimpíada precisou passar por adequações por causa da pandemia da Covid-19. Tradicionalmente a realização acontecia de forma online, com apenas a fase final presencial, em 2020 foi reformulada para acontecer totalmente online. A experiência de participar da olimpíada nesse novo formato trouxe desafios e pontos positivos, de acordo com a professora Nathalia Alem, orientadora das equipes do campus Eunápolis.  “Nós sempre tivemos projetos relacionados as olimpíadas de história, desde 2010. Esse ano muita coisa se alterou, nós iniciamos os nossos trabalhos como sempre, entregamos o projeto, mas com a pandemia houve uma mudança porque nossas oficinas eram presenciais, tivemos que fazer online, há uma dificuldade muito grande às vezes de acesso, esse ano sem dúvida nenhuma houve algumas dificuldades para a realização do  trabalho. Por outro lado, os alunos ficaram mais dedicados a olimpíada já que estão trabalhando com ela desde agosto e não estão tendo aulas regulares. Esse ano teve aspectos negativos mas teve também questões que contribuíram”, explica a docente. (Na foto, a Equipe Jovens Pensadores)

Para reunir o grupo de estudantes, os professores orientadores Nathalia Alem e Ricardo Torres fazem a divulgação e apresentação da ONHB para os discentes “A gente vem divulgando a olimpíada entre nossos alunos, e aí a gente disponibiliza convites em sala de aula ou e-mail, explicamos como é o funcionamento. Em 2019 nós fizemos um projeto de ensino, um mês antes de começar as olimpíadas nos encontrávamos uma vez por semana para fazer um treinamento de como funciona a competição. As equipes se formam  livremente, são 3 alunos do ensino médio integrado, de qualquer um dos cursos, até de series diferentes, eles são livres para formar as equipes e escolher o professor orientador” resumiu o professor Ricardo Torres.         

                                                             

Rebeca Vitória Passos Martins, integrante da equipe Ipê Rosa e semifinalista, destaca a predileção por História do Brasil como um dos fatores para decidir participar da ONHB. “O fato de amar debater sobre a história do Brasil e como ela se reflete os dias atuais e, não há como não dizer que o apoio e empolgação das minhas amigas, as quais formaram equipe comigo, foi muito importante para mim. Foi a primeira vez que encarei uma competição dessa assim, e gostaria de participar novamente”, declara a estudante do curso de Edificações.

 

Equipe Ipê Rosa

FASE FINAL 

Para Lucas Almeida de Azevedo, também aluno de Edificações, a competição continua, a equipe dele, Rapazes Latino Americanos, é uma das finalistas da olimpíada junto com a Jovens Pensadores. “Uma experiência incrível e, sem dúvidas, inesquecível. Guardarei cada detalhe, em especial dessa edição. Encanta a forma com que questões e tarefas são tratadas, formando um pensamento crítico sobre determinados assuntos. Não podendo esquecer da coletividade que é exercitada em todo processo! A equipe, de modo geral, está muito feliz com o resultado, muito gratificante para nós saber que estamos representando o nosso campus na olimpíada. A expectativa é de trazer o troféu, mas de qualquer modo, o conhecimento obtido já fez valer a pena cada hora em discussão. Fica aqui nossa gratidão a todos os professores envolvidos, em especial à professora Nathalia Alem, nossa orientadora!”. 

O resultado final com o anúncio de quais competidores vão receber as medalhas de ouro, prata, bronze e honra ao mérito será divulgado no dia 22 de novembro.

“A prova, vamos dizer assim, já foi produzida: os alunos produziram uma crônica que agora vai ser avaliada por uma banca de professores e estudantes da pós-graduação da Unicamp. O que a gente podia fazer a gente já fez e estamos no aguardo dessa correção. Essa é uma olimpíada das escolas públicas e privadas do país inteiro e que no início foram mais de 17 mil inscritas. Ter chegado até aqui tanto na semifinal como na final para nós é um motivo de grande alegria” revelou Nathalia, que fez questão de destacar o bom desempenho de todos os alunos do IFBA Eunápolis. “Nós consideramos que todas as 14 equipes inscritas foram muito bem e são vitoriosas”, declara.

 

Equipe Rapazes Latino-Americanos

* Com informações da Divisão de Comunicação do Campus Eunápolis.