Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Codir avalia alternativa de energia sustentável, sistema de remoção e plano de contingência do IFBA frente à pandemia
conteúdo

Codir avalia alternativa de energia sustentável, sistema de remoção e plano de contingência do IFBA frente à pandemia

No último dia 05, o Colégio de Dirigentes discutiu o protocolo para atividades administrativas e acadêmicas para o pós-pandemia, conheceu o novo módulo do SUAP que será utilizado para os processos de remoção e o estudo para aquisição de microusinas fotovoltaicas que podem gerar uma economia anual superior a meio milhão de reais.
por Bárbara Souza publicado: 10/06/2020 21h17, última modificação: 10/06/2020 21h17

Temas relevantes para a comunidade do IFBA foram discutidos e tiveram encaminhamentos na última sexta-feira (05), durante a 6ª reunião ordinária do Colégio de Dirigentes, realizada por webconferência e que durou cerca de seis horas. O Codir é o órgão de caráter consultivo de apoio ao processo decisório da Reitoria, composto pelos(as) pró-reitores(as), as direções-gerais dos campi e a reitora, Luzia Mota, que preside o órgão colegiado.

 Durante o encontro virtual, foram compartilhadas informações sobre profissionais que passam a integrar a gestão do IFBA. Ionara Peixoto, servidora técnica-administrativa do campus Santo Antônio de Jesus, é a nova titular da Correição. A nova procuradora-chefe do Instituto é a advogada Ivana Roberta, da Procuradora da Advocacia Geral da União. Foi iniciado o processo de transição da gestão no Polo de Inovação e na Diretoria de Gestão de Pessoas.

 O Codir também se debruçou sobre discussões e análises acerca do Plano de Contingência do IFBA frente à pandemia, cuja concepção está sendo gerida pelo Comitê Central de Acompanhamento da Ameaça do Coronavírus (Covid-19). No último dia 04, o Comitê, que foi reforçado com representantes de todos os campi, discutiu preliminarmente a proposta de criação do Plano de Contingência, que será elaborado  por câmaras técnicas e vai reunir concepções, orientações e procedimentos a serem seguidos no âmbito do Instituto na retomada das atividades presenciais, ainda sem data prevista. O Plano de Contingência passará pela apreciação do Conselho Superior (Consup), responsável pela aprovação das políticas estruturantes da Instituição.

 Na reunião do Colégio de Dirigentes, diretores(as) dos campi apresentaram várias sugestões, entre elas a construção de um protocolo específico para servidores(as) que são dos grupos de risco e a adoção de soluções que reduzam o impacto orçamentário dos investimentos que precisarão ser feitos para atender às exigências de higienização no pós-pandemia, a exemplo da disponibilização de álcool em gel para a comunidade e ampliação do número de equipamentos para a lavagem das mãos.

 NOVA CPPD, REMOÇÃO E REDISTRIBUIÇÃO - A composição da nova Comissão Permanente de Pessoal Docente (CPPD) também foi pauta do encontro. A reitora Luzia Mota agradeceu e elogiou o trabalho da equipe de transição, que reuniu integrantes da antiga e da nova CPPD, e anunciou que será realizado um processo eleitoral adicional para a comunidade escolher os membros que irão complementar a nova  Comissão. Pela primeira vez na história do IFBA, um pleito dessa natureza será realizado virtualmente, por conta do distanciamento social durante a pandemia. 

 O pró-reitor de Ensino, Philipe Carvalho, apresentou o módulo desenvolvido no Suap para sistematizar e viabilizar o acompanhamento pelos(as) servidores(as) e pela Gestão do IFBA das solicitações de remoção feitas por docentes. Trata-se de uma pauta cara à comunidade do Instituto e um  pleito antigo da área de gestão de pessoas. O trabalho de concepção e customização do sistema envolveu, além da Proen, a Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP), a Diretoria de Gestão de TI e o Gabinete da Reitoria,

 O novo módulo contempla etapas do trâmite dos pedidos de remoção, desde a manifestação de interesse  - a partir dos critérios definidos pela Resolução 19, que estabelece requisitos para remoção no IFBA -, passando pela fase de classificação até a efetivação da movimentação do(a) solicitante. Os(as) diretores(as) dos campi ressaltaram a importância do novo sistema, parabenizaram a equipe responsável, fizeram questionamentos e apresentaram sugestões a partir de especificidades de cada campus.

 O módulo de Remoção dos(as) servidores(as) técnico-administrativos também está sendo desenvolvido. Uma comissão com representantes da CIS, DGP, DGTI e Gabinete será criada e terá o objetivo de realizar as adequações do Suap e apresentar a novo sistema à comunidade.

 Na reunião, também foram atualizadas informações sobre os processos de Remoção e Redistribuição de servidores(as) do Instituto já registrados no SEI. A reitora Luzia Mota esclareceu que estão sendo analisadas por uma comissão específica as demandas protocoladas no SEI – existem cerca de 300 processos dessa natureza – e a prioridade é concluir a análise dessas solicitações. Numa etapa posterior, serão analisados os novos pedidos que vêm sendo encaminhados pelas direções gerais dos campi.

 PROCESSO SELETIVO DO IFBA: PERSPECTIVAS - Foi apresentado pelo pró-reitor de Ensino, professor Philipe Carvalho, o estudo técnico elaborado pela equipe da Proen, que traz um diagnóstico de como o processo seletivo vem sendo conduzido pelo IFBA. Foram feitas reflexões de caráter político-pedagógico sobre ingresso e acesso dos(as) estudantes e a concepção de educação do Instituto. O pró-reitor ressaltou que o estudo indica uma tendência de mudança do Prosel para um modelo mais moderno, econômico e democrático do que o atual. As propostas contidas no estudo realizado pela Proen serão apresentadas para apreciação da comunidade.

 ENERGIA LIMPA – Durante a reunião do Codir, o engenheiro Milson Matos Júnior, da equipe da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional (Prodin), apresentou em detalhes um estudo de viabilidade técnico-econômica da proposta de aquisição de microusinas de geração de energia solar fotovoltaica, cuja viabilidade é bastante favorecida pela incidência de altas taxas de irradiação solar em mais da metade do território da Bahia. A utilização dessa fonte alternativa requer investimentos da ordem de até R$ 4 milhões para aquisição e instalação dos equipamentos, mas pode gerar uma economia anual superior a R$ 550 mil nos custos de energia no âmbito do IFBA. Milson Matos informou também que o sistema fotovoltaico tem uma vida útil média de 25 anos. O estudo foi amplamente discutido pelos membros do Codir e será objeto de análise posterior por uma comissão com membros do grupo de diretores, pesquisadores da área e Prodin.