Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > IFBA tem trabalhos aprovados em evento de engenharia no estado de São Paulo
conteúdo

Notícias

IFBA tem trabalhos aprovados em evento de engenharia no estado de São Paulo

por Verusa Pinho publicado: 29/04/2019 18h22, última modificação: 29/04/2019 18h22

Nos dias 2 e 3 de maio, acontece, em Águas de Lindóia (SP), o II Simpósio de Engenharia, Gestão e Inovação (Sengi). Organizada pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), a segunda edição do evento conta com palestras, minicursos e mesas-redondas, além da apresentação de pesquisas e estudos científicos de desenvolvimento.

robô com interação humana.jpg
Robô com interação humana
O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), campus Jacobina, aprovou nove trabalhos para apresentação, sendo dois em formato de artigo e sete como pôsteres, dentre eles Desenvolvimento de Robô com Interação Humana, de autoria da formanda de eletromecânica Geovana Lira, em parceria com David Carvalho, Fabrício Pinto, Bruno Maia e Gabriel Miranda, sob orientação do professor Vitor Teixeira.

“Estou muito empolgada e ansiosa para participar do evento, meu primeiro! Serei a representante da equipe, é muita responsabilidade, mas estou muito feliz pela oportunidade”, comenta Geovana, que, em 2018, participou da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) na modalidade teórica e, neste ano, pretende concorrer na etapa prática. “Até entrar no IFBA eu não tinha tanto contato com tecnologia. Criamos um robô de sumô e realizamos competição entre equipes durante a Semana de Ciência e Tecnologia do campus. É uma experiência incrível! A apresentação no Sengi é fruto desse projeto e certamente será muito gratificante”, acrescenta.

Segundo a jovem, a utilização do Kit LEGO demonstrou como a interação humana pode estimular o senso criativo e explorar as amplas possibilidades de comunicação. “O robô, ao interagir por intermédio dos sensores presentes em sua construção, é capaz de realizar diversas saudações, despedidas e frases de efeito. A ideia é ampliar os estudos com técnicas de inteligência artificial e reconhecimentos de padrões de voz, sobretudo no contexto de apresentações artístico-teatrais, a fim de explorar as possibilidades das expressões faciais e capacidade de fala”, conclui.             

Robótica em foco

Através de chamada interna, a Pró-Reitoria de Extensão (Proex), em parceria com o Polo de Inovação Salvador (PIS), vem apoiando ações para a difusão da robótica, desde 2018. O campus  foi um dos espaços contemplados com o recebimento de kits tecnológicos e recursos financeiros para a realização de um conjunto de atividades. Com base na interdisciplinaridade e perspectiva lúdica da área, a meta do projeto é de que os estudantes envolvidos, tanto do IFBA quanto de outras instituições, experimentem, na prática, as possibilidades deste “admirável mundo novo”, que abrange desde a eletrônica e mecânica às ciências humanas e sociais.

“Quatro dos nove artigos aprovados no Sengi são decorrentes deste grande projeto. Pretendemos garantir participação do campus em torneios como a RoboIFBA, First Lego League (FLL), a Mostra Nacional de Robótica (MNR), além da OBR, superando os números do ano passado, quando tivemos mais de 70 alunos inscritos na modalidade teórica, com três classificados para a segunda fase e um medalhista de bronze. Neste ano, visamos ao menos duas equipes na modalidade prática da competição. Também aspiramos tornar o nosso laboratório referência local/regional, promovendo visitas guiadas e torneios”, comenta o docente Vitor.

Confira os demais estudos aprovados no campo da robótica:

Comparativo do Lego e do Arduino na Robótica Educacional, autoria das alunas de informática e eletromecânica Tauane Pereira, Anna Rafaela Braga e Wiza Oliveira, sob orientação do docente Vitor e do analista de TI do campus, Ivo Chaves;

O Desenvolvimento da Robótica com o Lego EV3 no Ensino Médio Técnico, elaborado pelos estudantes Wiza Oliveira, Tauane Pereira e Eduardo Pires, sob orientação do professor Vitor e do analista de TI, Ivo Chaves;

Controlador PID em Robô Seguidor de Linha em Plataforma LEGO EV3, autoria de Ana Beatriz Montenegro, Morgana Fernandes, Jonathas Wesley Bonfim e Robson Júnior, sob orientação do docente Vitor.

Popularização da Ciência

campeonato de robô de sumô.JPG
Campeonato de sumô
Já a Construção de Software para o Ensino de Ciências, estudo aprovado para apresentação em formato de pôster, é resultado de atividade avaliativa da disciplina Física, envolvendo a apresentação de ideias inovadoras pelos alunos. A proposta foi aperfeiçoada pelo professor Beliato Campos e aprovada pela Proex, entre os anos de 2017 e 2018, resultando na construção de um software educativo. 

Desenvolvida em parceria com estudantes bolsistas do curso técnico integrado de informática, além de voluntários, a iniciativa tem como base o software livre Android Studio, bem como a linguagem de programação Java, reunindo temáticas diversas no âmbito das ciências da natureza para as séries iniciais (fundamental). Assuntos como pressão atmosférica, energia, movimento, cores, gravitação universal, recursos hídricos, transporte e impactos ambientais estão em evidência, ao lado de um Quizz com aspectos conceituais e curiosidades. Testado em turma do 4º ano do ensino fundamental do Colégio Sesc de Jacobina, o app já rendeu à equipe participação no programa Bolsista em Foco, da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb), apresentação no XVII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física (EPEF), em Campos do Jordão, além de projeção nacional através de entrevista concedida ao Ministério da Educação (MEC).

“Nosso próximo passo é alimentar o aplicativo com mais textos, animações e exercícios, além de jogos. Tudo para que os alunos interajam com a ferramenta de forma prazerosa, motivadora e significativa. Nossa ideia é tornar a ciência mais acessível e lúdica, sobretudo através da explicação dos fenômenos da natureza”, esclarece o orientador.

“Este é o meu segundo evento científico. No ano passado participei do Congresso Norte-Nordeste de Pesquisa e Inovação (Connepi). Espero que no Sengi eu possa continuar meu processo de aprendizagem e crescer cada vez mais como estudante e pesquisador”, pontua Felipe Torres, voluntário do projeto e um dos autores do pôster.

Confira os demais estudos aprovados:

Princípio de Pascal: Aplicação dos Estudos dos Sistemas Hidráulicos Inovando o Processo de Ensino e Aprendizagem em Sala de Aula, artigo desenvolvido por Matheus Santos em parceria com Bruno Mota, João Pedro Amorim e Gabriel Levi Carvalho (3º ano de informática), sob orientação do docente Beliato. "Focado no auxílio da compreensão do Teorema de Pascal, abordamos a utilização de artimanhas para manter os alunos focados enquanto aprendem e se divertem com a criação de uma maquete para estudo da variação da pressão hidráulica num fluido em equilíbrio", explica.

Construção de Espectroscópio de Baixo Custo e o Ensino da Luz, autoria de Iany Hellen Reis e Rafaela Barbosa (3º ano de informática), sob orientação de Beliato;

Avaliação Térmica de Aquecedores Solares de Água Fabricados com Material Recicláveis (pôster), elaborado por Iany Raíssa Alencar e Helen Lima (4º ano de eletromecânica), sob orientação dos professores Vitor e Beliato. “Economizar energia elétrica e beneficiar diretamente o meio ambiente sem processos industriais, conscientizando as pessoas de que usando caixas Tetra Pack e garrafas PET é possível gerar uma economia considerável no orçamento familiar com investimento baixo é o nosso intuito”, destacam as jovens.

A Mecânica dos Harmônicos: Cordas Vibrantes nas Aulas de Física, artigo de autoria da jovem Lorena Maia em conjunto com Alice Oliveira Reis, Carol Cavalcante e Marcella Portela  (3º ano de informática), sob orientação do professor Beliato. "A partir de pesquisas bibliográficas foi desenvolvido um gerador que possibilita o controle de tipos de ondas e frequências, com o emprego de recursos de fácil acesso, como barbantes, fitas métricas e palitos de churrasco. Ao desenvolver a pesquisa, pude aprimorar conhecimentos em diversas áreas e ampliar minha fronteira cognitiva. Através do contato com termos técnicos e a linguagem acadêmica, eu pude adquirir experiência para o desenvolvimento de projetos e artigos acadêmicos futuros. A expectativa é que seja um evento de muito aprendizado e abra caminhos para novas oportunidades. Será, sem dúvida, uma experiência única, a qual pretendo aproveitar ao máximo”, comenta Lorena.

Leia mais: Jacobina é um dos campi do IFBA com maior número de trabalhos aprovados no Connepi

 Aplicativo para o ensino de ciências é desenvolvido pelo IFBA

 Robótica é destaque de projeto institucional