Você está aqui: Página Inicial > Campus Jacobina > Notícias Campus Jacobina > 2019 > Jornada Pedagógica envolve servidores em torno do tema “Mercoescola ou Escola Cidadã?"
conteúdo

Jornada Pedagógica envolve servidores em torno do tema “Mercoescola ou Escola Cidadã?"

De 8 a 10 de abril
por Verusa Pinho publicado: 09/04/2019 10h41, última modificação: 11/04/2019 08h03

“Qual a sua concepção de escola cidadã”? Foi com essa provocação que Luzia Mota, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) no IFBA e professora de Física do Campus Salvador, iniciou a Jornada Pedagógica 2019 do Campus Jacobina.

Após as boas-vindas dadas pelo diretor geral pro tempore, Beliato Campos, que enfatizou a importância do evento como um momento de construção coletiva de ideias, a conferência de abertura trouxe reflexões acerca da educação no diálogo com questões ético-políticas que permeiam a sociedade.

              público no auditório aguardando o começo da conferência de abertura; no palco, mesa com toalha colorida e projeção de slide com marca do evento prof. Beliato, diretor geral pro tempore do campus, dando as boas-vindas ao público; no palco, mesa com toalha colorida e projeção de slide com o tema do evento  

Na ocasião, a convidada traçou um breve histórico do sistema educacional brasileiro, elencando aspectos dos sistemas público e privado, sobretudo no âmbito do ensino médio e da educação profissional preconizada pelos institutos federais (IFs). Luzia citou inovação, empregabilidade e redução da desigualdade como bandeiras do capital, criticando mudanças instituídas ao longo do tempo, focadas no perfil utilitarista e tecnicista. “A educação profissional não determina a produção capitalista e não cria empregos. Nosso desafio é promover uma educação emancipadora, integral, sob a ótica da politecnia e omnilateralidade. Esse é o arranjo original dos IFs”, disse.

Em seguida, aconteceu debate, mediado pelo diretor de ensino do campus, Andson Barreto, contando com a participação da professora Mônica Souza (IFBA - Vitória da Conquista), mestra em educação e contemporaneidade. Em sua fala, ela associou trabalho ao princípio educativo e currículo escrito ao currículo vivido, lembrando o diferencial dos IFs quanto à verticalização do ensino e a atuação na pesquisa e extensão. 

              profa. Luzia Mota (Campus Salvador), palestrante convidada, em pé no palco, ao lado da mesa; ao fundo, projeção de slide; em frente, público nas poltronas do auditório profa. Mônica Souza (Campus Vitória da Conquista), palestrante convidada, ao lado da profa. Luzia e do prof. Andson, mediador do debate, no palco; ao fundo, projeção de slide; em frente, público nas poltronas do auditório  

Durante a discussão com o público, Mônica ressaltou a "pedagogia possível", contrapondo a utopia ao mundo real. Mencionou, ainda, a rebeldia criativa e projetos alternativos, além do planejamento e do princípio das três avaliações como essenciais para o sucesso do aprendizado. A professora Luzia complementou o debate com informações a respeito de mudanças nas normas acadêmicas do IFBA, como a redução de unidades letivas.

Na primeira noite de evento, também houve apresentação musical com os professores Yuri Wanderley (informática) e Fagner Delazari (filosofia), além do músico multi-instrumentista, Diego Rosa, integrante da Filarmônica 2 de Janeiro e regente dos Corais da Uati e Vozes de Ouro, ambos da Universidade do Estado da  Bahia (Uneb).

                   prof. Yuri tocando e cantando (voz e violão) durante o credenciamento; em segundo plano, vasos com plantas verdes  Diego Rosa, músico multi-instrumentista convidado, tocando teclado ao lado da mesa do coffee break 

                                               prof. Fagner tocando e cantando (voz e violão) durante o credenciamento

Na manhã desta terça-feira, 9, foi o momento dos egressos e familiares compartilharem suas narrativas. “O IFBA não é só uma escola, mas uma segunda casa!”, disse Lucas Mendonça, ex-aluno de mineração, que pontuou os laços criados e mantidos até hoje com professores, os quais considera parceiros de estudo e amigos.

Renata Freitas, mãe da estudante de informática Isadora, destacou a diversidade proporcionada pelo ambiente dos institutos federais, bem como o profissionalismo da equipe pedagógica e a expertise dos docentes, fatores que, segundo ela, contribuíram diretamente para o amadurecimento sócio-cultural da filha. Também compôs a mesa a egressa do curso subsequente de meio ambiente, Daniela Alves, atualmente técnica da secretaria de meio ambiente do município de Jacobina.

Na sequência da programação, houve palestra sobre os desafios dos bacharéis no ensino das licenciaturas, com a profª dra. do Campus Simões Filho, Claudia Cunha, representante da Pró-Reitoria de Ensino (Proen) do IFBA. As dificuldades do “ensinar a ensinar” com base na transversalidade e interdisciplinaridade foram o foco de sua fala, mediada pela pedagoga do campus Eliene Sales.

  mesa composta por dois egressos e mãe de aluna; público nas poltronas do auditório à frente; projeção de slide ao fundo  palestrante convidada, Claudia Cunha, ao lado da pedagoga Eliene; projeção de slide ao fundo

Na terça-feira, 9, ainda ocorreu palestra sobre assédio moral e sexual, além da apresentação do perfil socioeconômico dos estudantes bolsistas e do desempenho acadêmico dos discentes em 2017, seguida de orientações sobre elaboração de planos de curso. No último dia de evento, 10, foi a vez do Planejamento 2019 para os cursos técnicos e superior.

Outros registros fotográficos e em formato de vídeo estão disponíveis em nosso perfil no Instagram e fanpage.

registrado em: