Você está aqui: Página Inicial > Campus Irecê > Notícias e Comunicados IFBA Irecê > Notícias 2022 > Aluna com deficiência intelectual se forma em curso superior no IFBA de Irecê
conteúdo

Aluna com deficiência intelectual se forma em curso superior no IFBA de Irecê

publicado: 03/11/2022 10h21, última modificação: 03/11/2022 10h21

Na última quinta-feira, 17, a estudante Maria Vitória da Gama, com deficiência intelectual, colou grau no curso superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia, Campus Irecê.

A cerimônia realizada do tipo de gabinete contou com a participação de mais oito alunos/as, que também se formaram. Mas, Maria Vitória foi entre todos/as uma presença muito marcante, que também ficará na história da instituição. Veja o motivo sabendo um pouco da sua história contada a seguir:

            “Vitória tem uma história de superação. Antes mesmo do seu nascimento adquiriu uma infecção e ao nascer com apenas oito meses teve uma parada cardíaca que a deixou aparentemente sem sinais vitais. Mas após seis meses internada em uma UTI, sob muitos cuidados, Vitória recebeu alta.

            A sua mãe, a senhora Jeane Gama, foi orientada que devido às tantas convulsões ela possuía problemas neurológicos que poderiam afetar  a sua capacidade motora, cognitiva/intelectual, de linguagem.

            E devido a um quadro de insuficiência respiratória, foi necessário que ela desse entrada inúmeras vezes no hospital e fizesse uso de muitas medicações fortes.

            Todos os aspectos do desenvolvimento infantil de Vitória não foram dentro do esperado para a sua faixa etária. Apenas em torno dos dois anos ela começou a caminhar e só com mais dois anos era possível compreender o que ela verbalizava (era uma fala de difícil compreensão).

            O ingresso escolar ocorreu por volta dos três anos e meio. Na escola as dificuldades eram visíveis, tanto comportamentais como na aprendizagem, mas nesse período já aprendeu o identificar as letras, cores e iniciou o processo de alfabetização. Também nessa época iniciou o acompanhamento psicológico, fonoaudiológico e pedagógico.

             A sua mãe relata que procurou não criar expectativas em relação à Vitória, buscou não forçar nada. Tudo o que viesse seria lucro, mas sempre teve o cuidado de ouvir e esforçar para realizar cada orientação ouvida.

            Mas nessa época, já era visível que Vitória conseguia ir além do esperado para o seu quadro clínico. Mas o que quadro clínico de Vitória? Ela foi além e mostrou que do modo dela e no tempo dela conseguiria superar o esperado para a sua vida. Com acompanhamento, suporte escolar devido, auxílios e adaptações, Vitória que segundo médicos, não chegaria aos dois anos de idade, concluiu o Ensino Médio, com êxito e sem repetência, mas com esforço, muito esforço mesmo.

            Em 2015, aos 18 anos de idade, Vitória ingressa no Ensino Superior, no curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia, IFBA,  Campus Irecê.

            Ela trouxe relatório médico que indicava que ela apresentava:

·         Alterações comportamentais ansiosas;

·         Déficit cognitivo, mnésico (memória) e de atenção;

·         Dificuldade em abstrações;

·         Discalculia;

·         Dislexia;

·         Incoordenação motora.

            O que isso significou? Que seriam necessárias algumas adaptações e ela se desenvolveria. Nunca tivemos dúvida que ela conseguiria concluir o curso com êxito  porque não pensamos deficiência como incapacidade. O nosso foco é no potencial do estudante.

            Desse modo, toda a comunidade escolar, composta por docentes, técnicos administrativos, colaboradores terceirizados e estudantes foram orientados quanto à condição de Maria Vitória e como tratá-la, para que ela fosse incluída e não sofresse nenhum tipo de discriminação.

            O Núcleo de Atendimento Educacional Especializado – NAPNE, do Campus Irecê, composto de uma equipe multidisciplinar (profissional da área da educação inclusiva, pedagogos, psicóloga, médico (neurologista), assistente social e técnica em assuntos educacionais (com especialização em Psicopedagogia), trabalharam para atender  a estudante durante o seu percurso escolar, orientar os docentes e promover palestras e formação em educação inclusiva para servidores e estudantes.

            Respeitando o tempo dela, Vitória se desenvolveu e concluiu a  graduação. Assim  o IFBA, Campus Irecê cumpre o seu papel em promover a inclusão: garantindo acesso, permanência, aprendizagem e conclusão com êxito.” - Narrado por Iza Rocha, coordenadora do Núcleo de Apoio à Pessoas com Necessidades Específicas (NAPNE).

            Iza reconhece o papel importante da família, junto com toda a comunidade do IFBA para esse processo formativo. “Sendo a inclusão um processo coletivo, o Campus Irecê agradece a colaboração dos familiares da estudante, dos servidores docentes, técnicos administrativos, terceirizados e dos estudantes pelo acolhimento a Maria Vitória.” pontua.

            O IFBA Campus Irecê parabeniza Maria Vitória da Gama por essa conquista e se orgulha de tê-la como parte da nossa história.