Você está aqui: Página Inicial > Campus Euclides da Cunha > Notícias > 2016 > A arte dramática ganha corpo no Campus Euclides da Cunha
conteúdo

Notícias

A arte dramática ganha corpo no Campus Euclides da Cunha

publicado: 20/09/2016 16h24, última modificação: 08/03/2018 13h43

imagem sem descrição.

Como atividade que faz parte da disciplina de Língua Portuguesa, a dramatização é uma forma de incentivar os estudantes à leitura de obras literárias que fazem parte do itinerário da literatura do Curso Técnico Integrado de Nível Médio em Informática. A componente curricular de Língua Portuguesa é um complexo disciplinar que abrange três saberes: a língua, a literatura e produção de texto. As três áreas são imbricadas num conjunto de noções que devem ser desenvolvidas com o fim de preparar o aluno para uma formação que atenda aos requisitos das técnicas para as quais os cursos encaminham, como também, responde a um reclame da atualidade, que é a dimensão da formação humana nas suas diversas facetas. Neste quesito, a literatura é parte fundamental do percurso formativo, uma vez que intenta preparar o estudante para a vida, no sentido de que o capacita para ler e interpretar conteúdos. A literatura engloba diversas escolas literárias da história mundial, bem como tem uma especial atenção com a literatura brasileira; neste momento, tratamos das escolas do Trovadorismo e do Humanismo, como referências estéticas ascendentes dos principais movimentos artístico-literários que se desenvolveram desde o fim Idade Média até a era moderna. Como obras que representam essas manifestações, foram escolhidas três obras: o Auto da Barca do Inferno (Gil Vicente), Hamlet (William Shakespeare) e Tristão e Isolda (lenda celta, versão registrada por Fernandel Abrantes).

O professor Humberto Teixeira adota essa metodologia desde que ingressou na instituição e qualifica como uma forma eficiente de fazer com que os estudantes de fato leiam e entendam as obras. Neste caso específico dessa edição, registra o auxílio da professora de Artes, Daniela Morozini, que deu algumas dicas de arte dramática aos grupos, bem como a boa surpresa de já haver alguns alunos com alguma experiência teatral. Para apimentar as sessões, tivemos a vantagem de as apresentações terem sido feitas em ambiente propício e de contar com a boa audiência de quase todos os servidores do campus – docentes, técnicos e pessoal de apoio –, que fizeram animadores elogios aos estudantes; além de ter sido também prestigiadas por visitantes externos, o que deixou os grupos bastante empolgados com a atividade. Ganhamos, com isso, uma sensação de que poderemos fazer mais e melhor.

Parabéns, estudantes do IFBA! Viva aos nossos novos artistas!